sexta-feira, 11 de março de 2011

Se

Se tivesse um Deus, rezaria para não ter medo.
Se não soubesse o que é amor incondicional, teria um cão.
Se quisesse ser solidão, seria azul.
Se não fosse infância, bastar-me-ia?
Se fosse carne, findaria pena, faina, labor.
Se não fosse gozo, sucumbiria.
Se tivesse um caminho, “The road not taken”.
Se não fosse escolha, suplantaria o torpor da crença.
Se fosse um dia, riso, ficção, letra, coragem seria.

3 comentários:

Deisily de Quadros disse...

Os "SE" da vida...
Beijo!

Jor disse...

Lindo, Sil... lindo demais... BEijos

Simone Arrais disse...

Faz tempo que deixei de julgar um livro pela capa (às vezes, sou seduzida pelos títulos...); faz tempo que deixei de seguir blogs por um post. No seu caso, recomendado pela amiga Andréia, li um post, depois outro, depois outro... Clicar no botão de "seguir" foi natural. Marquei o ponto em que parei como marco as páginas dos meus livros favoritos, sem dobrar, com cuidado, com um bookmark handmade respeitoso. Vou voltar. Um beijo cearense.